Pesquisar este blog

Música

Músicas que tocam 





O Quereres
Composição: Caetano Veloso

Onde queres revólver, sou coqueiro e onde queres dinheiro, sou paixão
Onde queres descanso, sou desejo e onde sou só desejo, queres não
E onde não queres nada, nada falta e onde voas bem alto, eu sou o chão
E onde pisas o chão, minha alma salta e ganha liberdade na amplidão
Onde queres família, sou maluco e onde queres romântico, burguês
Onde queres Leblon, sou Pernambuco e onde queres eunuco, garanhão
Onde queres o sim e o não, talvez e onde vês, eu não vislumbro razão
Onde o queres o lobo, eu sou o irmão e onde queres cowboy, eu sou chinês

Ah! Bruta flor do querer Ah! Bruta flor, bruta flor

Onde queres o ato, eu sou o espírito e onde queres ternura, eu sou tesão
Onde queres o livre, decassílabo e onde buscas o anjo, sou mulher
Onde queres prazer, sou o que dói e onde queres tortura, mansidão
Onde queres um lar, revolução e onde queres bandido, sou herói
Eu queria querer-te amar o amor construir-nos dulcíssima prisão
Encontrar a mais justa adequação tudo métrica e rima e nunca dor
Mas a vida é real e é de viés e vê só que cilada o amor me armou
Eu te quero (e não queres) como sou Não te quero (e não queres) como és

Ah! Bruta flor do querer Ah! Bruta flor, bruta flor

Onde queres comício, flipper-vídeo e onde queres romance, rock?n roll
Onde queres a lua, eu sou o sol e onde a pura natura, o inseticídio
Onde queres mistério, eu sou a luz e onde queres um canto, o mundo inteiro
Onde queres quaresma, fevereiro e onde queres coqueiro, eu sou obus
O quereres e o estares sempre a fim do que em mim é em mim tão desigual
Faz-me querer-te bem, querer-te mal bem a ti, mal ao quereres assim
Infinitivamente impessoal e eu querendo querer-te sem ter fim
E, querendo-te, aprender o total do querer que há, e do que não há em mim




Oceano
Composição: Djavan

Assim que o dia amanheceu lá no mar alto da paixão,
Dava prá ver o tempo ruir cadê você? que solidão!
Esquecera de mim?
Enfim, de tudo o que há na terra não há nada em lugar nenhum!
Que vá crescer sem você chegar
Longe de ti tudo parou ninguém sabe o que eu sofri...

Amar é um deserto e seus temores
Vida que vai na sela dessas dores
Não sabe voltar me dá teu calor...
Vem me fazer feliz porque eu te amo
Você deságua em mim e eu oceano
E esqueço que amar é quase uma dor...

Só sei viver
Se for por você!




Mais Uma Vez 
Renato Russo 
Mas é claro que o sol vai voltar amanhã 
Mais uma vez, eu sei
Escuridão já vi pior, de endoidecer gente sã 
Espera que o sol já vem.
Tem gente que está do mesmo lado que você 
Mas deveria estar do lado de lá
Tem gente que machuca os outros Tem gente que não sabe amar
Tem gente enganando a gente Veja a nossa vida como está
Mas eu sei que um dia a gente aprende
Se você quiser alguém em quem confiar
Confie em si mesmo
Quem acredita sempre alcança!
Mas é claro que o sol vai voltar amanhã
Mais uma vez, eu sei
Escuridão já vi pior, de endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem.
Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena
Acreditar no sonho que se tem
Ou que seus planos nunca vão dar certo
Ou que você nunca vai ser alguém
Tem gente que machuca os outros
Tem gente que não sabe amar
Mas eu sei que um dia a gente aprende
Se você quiser alguém em quem confiar
Confie em si mesmo
Quem acredita sempre alcança!
Quem acredita sempre alcança!
Quem acredita sempre alcança!
Quem acredita sempre alcança!
Quem acredita sempre alcança!
Quem acredita sempre alcança!
Quem acredita sempre alcança!
Quem acredita sempre alcança!






Hino de Pernambuco

Letra: Oscar Brandão da Rocha / Música: Nicolino Milano

“Coração do Brasil em teu seio
Corre o sangue de heróis rubro veio
Que há de sempre o valor traduzir
És a fonte da vida e da história
Desse povo coberto de glória
o primeiro, talvez, no porvir.

Côro
Salve!...ó terra dos altos coqueiros
De beleza soberbo estendal!
Nova Roma de bravos guerreiros
Pernambuco, imortal! imortal!

II
Esses montes e vales e rios,
proclamando o valor de teus brios,
Reproduzem batalhas cruéis.
No presente és a guarda avançada
Sentinela indormida e sagrada.
Que defende da Pátria os lauréis.
Salve!...ó terra dos altos coqueiros.

III
Do futuro és a crença,a esperança,
Desse povo que altivo descansa,
Como atletas depois de lutar...
No passado teu nome era um mito
Era o sol a brilhar no infinito,
Era a glória na terra a brilhar.
Salve!...ó terra dos altos coqueiros.

IV
A república é filha de Olinda
Alva estrela que fulge e não finda
De esplendor com os seus raios de luz
Liberdade um teu filho proclama
Dos escravos o peito se inflama
Ante o sol dessa Terra da Cruz.
Salve!...ó terra dos altos coqueiros.”


Pra não dizer que não falei das flores
Geraldo Vandré

Caminhando e cantando e seguindo a canção
Somos todos iguais, braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas, campos, construções
Caminhando e cantando e seguindo a canção

Vem, vamos embora que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora não espera acontecer.

Pelos campos, há fome em grandes plantações
Pelas ruas, marchando indecisos cordões
Ainda fazem da flor seu mais forte refrão
E acreditam nas flores vencendo o canhão

Há soldados armados, amados ou não
Quase todos perdidos de arma na mão
Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição
De morrer pela pátria e viver sem razão

Os amores na mente, as flores no chão
A certeza na frente, a História na mão.

Caminhando e cantando e seguindo a canção
Aprendendo e ensinando uma nova lição...

Seja Bem Vindo!

Seja Bem Vindo!
Volte sempre!